Para as crianças - parte I

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Exercitei toda a minha determinação e me pus a concluir todos os trabalhos começados. Afinal, o meu bau de coisas a fazer estava transbordando. Ainda mais quando se trata de peças para crianças; se eu não terminasse logo elas não serviriam mais.
Fiz coletinhos, blusinhas, cachecóis e gorros... Ufa! Terminei tudo!!!!
Como é muita coisa, vou mostrar aos poucos. Essas duas peças de hoje, foram para minhas sobrinhas: Sophia e Laura. Pelas carinhas delas, acho que gostaram. Infelizmente, não posto as receitas, pois como demorei um pouco para terminar, fui fazendo sem anotar nada.





O coletinho lilás foi feito com fio duplo da lã Sedificada/Pingouin mais uma lã Cisne que não lembro o nome. Na blusa rosa, usei fio triplo da lã Davos/Círculo. Ambas tem acabamentos em crochê.
Enfim, espero que vocês também gostem. Prometo contar as receitas nas próximas peças que vou mostrar.
Beijinhos e inté.



5 comentários:

Ana disse...

oi Marcia

Ontem passei por aqui mas nem tive tempo de comentar..
Adorei seu blog . Já fui tricoteira há uns 20 anos atrás a quando meu filho de 17 anos era pequeno fazia lindas blusinhas para ele. Pra minha filha de 10 já fiz pouca coisa e já faz 2 anos que fiz o último cachecol...
agora deu vontade novamente...

bjus
ana maria

Luciana F. Damiano disse...

Muito bonitas as duas peças.
As meninas ficaram ainda mais lindas dentro delas!!! Parabéns,
bjs
Lu

Carla disse...

Ui, como cheguei atrasada! Olha quanta coisa para comentar! Mas, como diz a piada velha, como Jack, vamos por partes.

Adorei ver a sua determinação para por fim aos seus UFOs (UnFinished Objects, como me explicou a Rafa uma vez. E não óvni handmade, como eu pensava. hahaha!). As duas peças mostradas até agora foram maravilhosas, coloridíssimas e, tenho de concordar, as duas modelos que fazem jus às peças, por lindas que são, parecem mesmo ter adorado os modelitos para a sessão fotográfica. hahahaha! Que lindo, que divertido! Tudo lindo, tudo divertido: as peças terminadas (que parecem estar felizes por terem saído do baú inteirinhas e prontas), as meninas e a própria sessão fotográfica. Parabéns! Que postagem feliz!

O endereço do Grans (olha só a intimidade! Até parece! hahahaha!) eu já guardei. Ah, nunca se sabe quando eu vou parar de ser besta e resolver enfrentar de frente tanto o crochê quanto o tricô... Brigadim pela dica!

Escrever é uma ma-ra-vi-lha, eu sempre soube, assim como você. hahaha! A pesquisa só veio nos dar a certeza. Eu nunca tive diários (por "probleminhas" de respeito à privacidade causados pela minha mãe...), mas gostava de escrever e jogar fora. Não tive a oportunidade de, como você, ter a ventura de guardar meus escritos. Mas eu sentia que "transbordar" no papel sempre me fazia bem. Acho, entretanto, que blog e diário são coisas diferentes entre si. O blog, por ser uma espécie de "diário aberto", tão público, não se presta a confissões, ao transbordamento de um monte de coisas muito, muito íntimas que, às vezes, até em uma sessão de terapia nos custa reconhecer. Tem o benefício da réplica, de recebermos retorno encorajador e carinhoso das pessoas que nos visitam. Já o diário é o espaço mais íntimo no qual podemos imprimir toda e qualquer sensação, sentimento, pensamento e fato sem ter medo de julgamento porque ele é "for our eyes only". Ali a gente deixa cair e chegamos mais perto do super-homem de Nietszche (guardadas as devidas diferenças entre literatura e realidade, claro), muitas vezes, imprimindo nossas pequenas falhas de caráter, nossos defeitos inconfessáveis até ao padre. hahahaha! Ali, inclusive, é até bom não termos retorno de ninguém, resposta alguma. É como gritar em um desfiladeiro de lugar abandonado, limpa-nos o peito e morre em eco surdo. Tem uma finalidade que, aos outros, é perdida por não haver o contato, a troca, mas que nos é importante, acho até que vital. Penso que há, sim, finalidade de comunicação no diário. Aquele que escreve não é o mesmo que lê, mesmo quando só nós mesmos temos acesso ao nosso diário. Modificamo-nos depois da escrita e quando recebemos o que nós mesmos escrevemos. Pirandello, escritor e dramaturgo italiano, em um conto chamado Uno, Nessuno, Centomilla (Um, Ninguém, Cem Mil, este, no sentido de multidão) dizia que dentro de nós vive alguém, ninguém e uma multidão. No diário, trocamos ideias e nos comunicamos com esse alguém, com o nosso ninguém e com nossa íntima multidão de nós mesmos. Contudo, blog ou diário - ou ambos - o bom mesmo é escrever, escrever, escrever, escrever, escrev..., escr..., es... e... .

E a Mega! Aaaaaah, a Mega Artesanal! Peraí! Deixa eu pegar o lencinho e começar a chorar! Eu queria tanto, tanto, tanto ter ido! Não pude. Probleminhas de saúde me impediram. Mas, no ano que vem, tomara, tomara, eu possa ir! Acho que, nesse dia de lojistas, que você mencionou (não sabia dessa estratégia), eu nem teria problemas em comparecer, já que minha dificuldade é com multidões, com tudo o que a Mega, nos dias reservados ao público, exubera. Seu marido é, sem dúvidas, um candidato a santo! hihihihi... Acompanhar mulher nesses eventos é coisa para quem tem paciência de São Francisco de Assis! hihihi...

E, nota de quase de fim de página (digo, comentário), como você é linda! E como é fotogênica! Que fotos!

Tammy disse...

Que lindas meninas e que lindas peças!

Obrigada pela visita ao meu cantinho!
Fico muito muito contente que tenha se sentido bem e em casa por lá!

Se achegue a hora que quiser !

Adorei o teu cantinho também!

Bejos

Renata S. P. disse...

Oi!
Muito lindas essas blusinhas infantis!
Adorei a 1°, em lilás! Muito fofa =)

Beijos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  © Blender DMP

Retornar ao TOPO